Congresso da SPA 2016

Regulamento

Condições prévias para submissão

1. Ao submeterem uma comunicação científica, os autores terão de respeitar as exigências que se seguem, tendo em atenção que o processo de submissão online só poderá ser completado uma vez cumpridas essas exigências:

  1. As comunicações podem ter sido previamente apresentadas em reuniões locais de serviço ou departamento, ou em reuniões científicas de uma subespecialidade ou ainda em congressos internacionais. Não se aceitam comunicações de trabalhos previamente apresentados em congressos de âmbito nacional, nem que tenham sido publicados previamente, sob a forma de artigo, em revistas indexadas.
  2. Os estudos que envolvam animais ou humanos devem ser conduzidos de acordo com as regras europeias sobre ética em investigação humana ou animal. Deve ser explicitamente indicada a aprovação de um comité de revisão local, comissão de ética ou afim, no caso dos estudos envolvendo animais ou humanos, sendo obrigatório anexar documento comprovativo da respetiva aprovação. Para os estudos em humanos deve ser explicitamente indicado que foi obtido consentimento informado por parte dos participantes. Nos casos em que os autores entendam não ser aplicável a obtenção de autorização por parte de uma comissão de ética ou afim, ou em que as autoridades competentes tenham declarado poder-se prescindir dessa aprovação, haverá, na submissão eletrónica, um espaço para os autores assinalarem essa eventual não-aplicabilidade da obtenção de autorização por parte de uma comissão de ética ou afim.
  3. Quaisquer conflitos de interesse dos autores, nomeadamente envolvendo a indústria farmacêutica e médica ou interesses financeiros deverão ser expressamente declarados, devendo ser explicado em que consistem.
  4. Os autores têm que declarar transferir para a SPA os direitos de autor referentes à publicação da comunicação num suplemento da revista da SPA.
  5. Tem que ser expressamente declarado que todos os autores tomaram conhecimento da submissão e aprovam o seu conteúdo.
  6. Se for submetido um caso clínico em que o primeiro autor é de uma instituição diferente daquela em que ocorreu o caso, que o primeiro autor confirma que existe um conhecimento tácito e anuência do diretor de serviço ou departamento onde o caso ocorreu.
  7. Que os autores assumem a responsabilidade pela obtenção das autorizações devidas à eventual utilização de imagens.

Regras gerais de submissão e aceitação dos resumos

  1. As comunicações podem ser submetidas por profissionais de saúde ou investigadores de qualquer nacionalidade.
  2. São aceites comunicações científicas em qualquer área da anestesiologia, tratamento da dor, medicina de emergência, trauma, cuidados intensivos, epidemiologia e ciências básicas relacionadas com estas áreas, ou que se enquadrem nas categorias abaixo indicadas.
  3. Poderão ser aceites casos clínicos, mas não serão aceites simples revisões de literatura científica baseadas num caso clínico, bem como outras revisões de literatura, estudos-piloto ou planos para projetos de investigação.
  4. Língua: as comunicações e os trabalhos a apresentar podem ser redigidos em Português de Portugal (de acordo com o novo Acordo Ortográfico), Inglês ou Castelhano
  5. As comunicações poderão ser submetidas brevemente
  6. As comunicações são submetidas apenas por via eletrónica, através da página de internet da SPA e/ou do secretariado do congresso. As comunicações enviadas por correio eletrónico, fax, correio postal ou entregues em mão, não serão aceites.
  7. A submissão terá de indicar o nome completo do primeiro autor, a identificação e endereço postal da sua instituição, o seu número de telemóvel, o seu endereço de correio eletrónico, o telefone de contacto na sua instituição e uma fotografia que o identifique. Na submissão da comunicação é obrigatório anexar a fotografia do primeiro autor, sem o que a submissão não poderá ser concretizada.
  8. São aceites até um máximo de seis autores por comunicação, os quais devem ter tido uma participação relevante no trabalho apresentado.
  9. O primeiro autor da comunicação deve ser o apresentador da mesma no congresso, caso a comunicação seja aceite. Se na altura do congresso não puder apresentar a comunicação terá de apresentar uma justificação por escrito e não poderá apresentar, no mesmo congresso, qualquer outra comunicação em que não seja o primeiro autor.
  10. O primeiro autor da comunicação deve ser o apresentador da mesma no congresso, caso a comunicação seja aceite e terá direito a um certificado que o identifica como “primeiro autor/apresentador”. Se na altura do congresso não puder, por motivos de força maior, apresentar a comunicação terá de apresentar uma justificação por escrito mediante a qual a organização poderá aceitar que se faça substituir por um outro autor para a apresentação no congresso (como “poster” e eventualmente na forma “oral”). No caso de a apresentação da comunicação no congresso ser efectuada por um substituto, este não terá direito a um certificado como apresentador ou primeiro autor; haverá apenas certificados para “primeiro autor/apresentador” e para “co-autores” pelo que mesmo que substituído na apresentação o primeiro autor será quem terá direito a certificado como “primeiro autor/apresentador”
  11. O título e corpo da comunicação, bem como a legenda das ilustrações, não podem conter nenhuma referência ao local onde o estudo foi desenvolvido ou onde ocorreu o caso clínico, nem a qualquer outra instituição ou região geográfica que permita identificar a origem do texto.
  12. Os autores deverão classificar a sua comunicação numa das categorias indicadas no formulário de submissão online , e em que a sua comunicação melhor se enquadre. No entanto, a SPA reserva-se o direito de decidir sobre a categoria final de classificação. As categorias são as mesmas da ESA, a saber:
    1. Prática baseada na evidência e melhoria da qualidade (Evidence-based Practice and Quality Improvement)
    2. Anestesia em ambulatório (Ambulatory Anaesthesia)
    3. Monitorização, equipamento e computadores (Monitoring: Equipment and Computers)
    4. Circulação (clínica e experimental) (Clinical and Experimental Circulation)
    5. Respiração (Respiration)
    6. Transfusão e hemostase (Transfusion and Haemostasis)
    7. Neurociências (Neurosciences)
    8. Anestesia Regional (Regional Anaesthesia)
    9. Farmacologia (Pharmacology)
    10. Anestesia e Cuidados Intensivos Pediátricos (Paediatric Anaesthesia and Intensive Care)
    11. Anestesia Obstétrica (Obstetric Anaesthesia)
    12. Medicina Intensiva (Intensive Care Medicine)
    13. Reanimação e Medicina de Emergência (Resuscitation and Emergency Medicine)
    14. Manejo da dor aguda e crónica (Acute and Chronic Pain Management)
    15. Educação, Investigação e Apresentações (Education, Research and Presentation)
    16. Ética
    17. Segurança dos doentes (Patient Safety)
    18. Cuidado perioperatório do idoso (Perioperative Care of the Elderly)
    19. Manejo da via aérea (Airway Management)
  13. O corpo do resumo não deve exceder os 2500 carateres sem espaços, e deve ser utilizado para a escrita do texto uma letra universal, como o Arial, para que carateres especiais não sejam perdidos aquando da transposição online.
  14. Poderão ser enviadas imagens, gráficos ou ilustrações com a comunicação, num máximo de três. No caso das comunicações selecionadas e a publicar no suplemento da revista da SPA, as fotografias ou imagens a cores poderão, no entanto, vir a ser publicadas apenas em coloração preto e branco, por decisão editorial.
  15. A verificação da ortografia é da responsabilidade dos autores, e não será feita nenhuma edição do texto. Ortografia não revista poderá ser um critério de não-aceitação da comunicação.
  16. Submissões que não respeitem as regras acima indicadas serão automaticamente rejeitadas.
  17. Até 3 dias após a submissão online, o primeiro autor receberá uma notificação por correio eletrónico da boa receção da mesma.
  18. O autor poderá alterar ou corrigir a sua comunicação original até à data-limite de submissão. Nesta situação, deve fazer referência a este facto.
  19. As submissões que respeitem estas regras serão analisadas por três revisores designados pela comissão científica do congresso da SPA. Os nomes de todos os revisores serão publicados na página eletrónica da SPA.
  20. Os revisores recomendam, ou não, a aceitação da comunicação ao presidente do júri, a quem cabe a decisão final. O primeiro autor tomará conhecimento da decisão através de uma mensagem de correio eletrónico, enviada para o endereço indicado na submissão, até à data limite indicada nos prazos acima referidos.
  21. Todos os resumos de comunicações selecionadas serão apresentados no congresso da SPA num de dois formatos: poster e mini-poster.
    1. POSTERS
      1. Todas as comunicações que preencham os critérios definidos e aceites pela comissão de revisores, serão apresentadas na forma de poster.
      2. As dimensões dos posters são (altura 1,00m; largura 0,80m).
      3. Os posters serão discutidos um a um por um ou mais membros da comissão de revisores numa sessão de apresentação de posters. As datas e horários das sessões de apresentação de posters serão comunicadas ao primeiro autor até uma semana antes da data de início do congresso.
      4. O primeiro autor deverá fazer uma apresentação oral diante do poster. Esta apresentação deverá ser efetuada no máximo em 4 minutos e será seguida de discussão num máximo de 4 minutos.
      5. A elaboração dos posters e a forma de fixação dos mesmos é da responsabilidade dos autores. A organização disponibilizará uma bolsa no local de afixação para a distribuição de separatas ou “handouts” do poster, em formato A4, também da responsabilidade dos autores.
    2. MINI-POSTERS
      1. As comunicações que não se enquadrem nos critérios definidos pela comissão de revisores, mas que apresentem conteúdo considerado revelador de experiência adquirida por departamentos ou pelos anestesiologistas autores, serão admitidas na categoria denominada de “mini-posters”, os quais serão afixados durante o congresso, numa área especialmente dedicada.
      2. Os “mini, posters” são em formato A2 (Altura 0,420m; Largura 0,594m).
      3. Nesta categoria, não haverá lugar a discussão dos trabalhos em sessão individualizada, mas os membros da comissão científica terão o cuidado de visionar os mini-posters e interagir com os respetivos autores ao longo do congresso. O primeiro autor poderá indicar, no local do mini-poster, horários presenciais em que poderá estar disponível para discussão do mesmo, a quem assim o deseje.
      4. As comunicações admitidas nesta categoria serão apresentadas apenas na forma de mini-posters no congresso não sendo publicadas em suplemento da Revista da SPA.
    3. COMUNICAÇÕES ORAIS
      1. De entre as comunicações aceites para apresentação em poster, serão selecionadas as comunicações mais pontuadas ou consideradas de maior interesse, as quais terão o destaque de uma apresentação oral, a qual terá lugar numa sessão própria do congresso com recurso a projeção de “slide show” através de computador em grande tela.
      2. O primeiro autor será informado por correio eletrónico se a sua comunicação foi aceite para apresentação apenas em poster ou para apresentação em poster e comunicação oral. O tempo disponível para a apresentação oral é idêntico ao do poster (4 minutos + 4 minutos de discussão).
      3. Não será permitida a utilização de computadores pessoais para a apresentação, e o formato dos ficheiros deverá ser Microsoft PowerPoint para Windows, versão 2010 ou superior.
  22. A SPA atribuirá um diploma de qualidade para as comunicações orais classificadas nos três primeiros lugares, reservando-se a possibilidade de atribuir ou não prémios pecuniários ou outros.
  23. Todas as comunicações aceites como posters serão publicadas num suplemento da revista da SPA em formato eletrónico ou em papel.

Sobre a submissão de estudos clínicos ou similares

  1. As comunicações dos estudos clínicos e não clínicos devem ser redigidas do seguinte modo, sendo que cada um dos itens deve iniciar um novo parágrafo ou linha:
    1. Título
    2. Autores com nome(s) próprio(s) e apelido por extenso. Os nomes dos autores são separados por vírgulas. Exemplo: José Silva, Rita Silva, Maria José Silva
    3. Identificação das instituições a que os autores pertencem
    4. Introdução
    5. Metodologia
    6. Resultados
    7. Discussão e Conclusões (podem ser itens separados)
    8. Referências
  2. Sobre os vários itens dos estudos clínicos e não clínicos:

    1. As afirmações que não resultem dos resultados do trabalho em causa devem ser sustentadas em referências classificadas e numeradas por ordem de entrada no texto até um máximo de 3.
    2. A introdução deve ser breve e explicar claramente o motivo pelo qual o trabalho foi realizado e quais os seus objetivos principais.
    3. A metodologia deve expor claramente os métodos e materiais utilizados no trabalho, tornando clara a forma como foi realizado. Deve ser dito qual o equipamento usado, qual o tipo de análise estatística efetuada e definido o modo como são apresentados os resultados.
    4. Os resultados são essenciais e devem apresentar com clareza os resultados mais importantes que foram obtidos.
    5. A discussão e conclusões devem ser breves. Deve fazer-se uma análise crítica dos resultados e resumir as conclusões do trabalho, sem inferir ou especular sobre hipotéticas conclusões.
    6. As referências devem indicadas no texto conforme acima referido. Não é necessário indicar o nome dos autores nem o título do artigo. Basta indicar o nome da revista, ano de publicação, volume e páginas. Exemplo: Eur J Anesthesiol. 2005; 22: 843-47.
    7. Submissões que não respeitem estas regras serão rejeitadas. Não esquecer que o corpo da comunicação não deve identificar local ou instituições onde o estudo tenha ocorrido.

Sobre a submissão de casos clínicos

  1. Sobre os casos clínicos:
    1. Valorizam-se os casos clínicos que relatem ocorrências com elementos importantes de novidade ou originalidade. Casos relatando o manejo anestésico sem intercorrências de um portador de alguma doença rara, não acrescentam originalidade ou novidade pelo que não são valorizados, a menos que sejam uma série de casos.
    2. As comunicações de casos clínicos devem ser redigidas do seguinte modo, sendo que cada um dos itens deve iniciar um novo parágrafo ou linha:
      1. Título
      2. Autores com nome próprio e apelido por extenso. Os nomes dos autores são separados por vírgulas. Exemplo: José Silva, Rita Silva, Maria José Silva
      3. Identificação das instituições a que os autores pertencem
      4. Introdução (em que se devem fundamentar afirmações que sustentem a relevância do caso, com referências até um máximo de 3). Deve ser breve e explicar claramente o motivo pelo qual o trabalho foi apresentado e a sua relevância.
      5. Discussão (deve fazer-se uma análise crítica do caso e resumir a importância do mesmo e os ensinamentos que nos traz)
      6. Referências. As referências devem referenciadas no texto conforme acima referido. Não é necessário indicar o nome dos autores nem o título do . Basta indicar o nome da revista, ano de publicação, volume e páginas. Exemplo: Eur J Anesthesiol. 2005; 22: 843-47.
      7. Submissões que não respeitem estas regras serão rejeitadas.
    3. Alguns locais de consulta na web sobre este tema:
      1. Guidelines to the writing of case studies
      2. Writing a medical case report

Disposições finais

Quaisquer dúvidas sobre aspetos deste regulamento ou em situações omissas, deverão ser colocadas por correio eletrónico.


Submeter Abstract